quinta-feira, 23 de maio de 2013

TORTURA PSICOLÓGICA - Resposta

MINHA...índia..
Mesmo sabendo que não a emprestaria, dormi mal também.  Imaginava a mulher pensativa e apreensiva com a situação, acreditando que o homem deixaria isso acontecer e o quanto seria doloroso para ela e especialmente  para mim, se tudo fosse verdade.
Contudo, se a BOCARRA-vadia tivesse ficado fechada ao telefone na sexta-feira passada , não apareceria a dúvida cruel e ninguém, nem mesmo a cadela, teria vivenciado os eventos do empréstimo, mas ela não aguentou e ainda foi além,  desafiou o Dono determinando um prazo para Ele acabar com aquela fala até domingo à noite e de súbito, riu bocarramente.  Porém, exatamente no instante desta fala, cadela, aceitei o desafio, pois, considerei da sua parte um atrevimento descabido para com o seu Dono e fui adiante com a estória.
Então, logo pela manhã da segunda-feira pude desfrutar sadicamente das mensagens e telefonemas da cadela totalmente desestabilizada e acuada.
Lembro-Me dos momentos marcantes dentro do carro quando estávamos parados no suposto local de encontro ao lado de uma pequena árvore próxima a entrada do estacionamento, vi a angústia, o medo, a inquietação e a vi atemorizada com a cabeça abaixada e com movimentos que tangenciavam a convulsão, sobretudo, quando havia a fala fictícia desprezando a sua presença e a tratando como um simples e mero pedaço carnal de troca para o prazer dos Dominadores. Certamente no trajeto até o motel os teus pensamentos e corpo estavam como um turbilhao de sensações e emoções.  Mas quando chegamos à garagem, vi você cadela com a expressão aliviada e com um leve sorriso ao perceber que foram momentos da gostosa e prazerosa tortura psicológica ( e diga-se de passagem, bem  merecida ).
Vou repetir o óbvio e que você nunca mais se esqueça cadela: és Meu DIAMANTE, és MINHA.
Quanto ao número de degraus acho que eram 13, mas você cadela deve ter certeza, e então por isso, irá contá-los novamente.
As cenas foram bonitas, o capacho, as lambidas, a lavagem dos pés e o dogplay ( cadela na coleira, subindo escada, beijando os pés do Dono e debaixo da mesa ). Que tudo isto te sirva de lição. Não me desafie cadela... você conhece bem o DONO que tem.

Um comentário:

  1. CONVITE
    Passei por aqui lendo, e, em visita ao seu blog.
    Eu também tenho um, só que muito simples.
    Estou lhe convidando a visitar-me, e, se possível seguirmos juntos por eles, e, com eles. Sempre gostei de escrever, expor as minhas idéias e compartilhar com as pessoas, independente da classe Social, do Credo Religioso, da Opção Sexual, ou, da Etnia.
    Para mim, o que vai interessar é o nosso intercâmbio de idéias, e, de pensamentos.
    Estou lá, no meu Espaço Simplório, esperando por você.
    E, eu, já estou Seguindo o seu blog.
    Força, Paz, Amizade e Alegria
    Para você, um abraço do Brasil.
    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir