quinta-feira, 23 de maio de 2013

Comemorando.....


..MINHA...índia..
...hoje, fazemos juntos, 3 anos e 6 meses..
...é o dia singular de cada mês que sempre traz a Mim a deliciosa lembrança do dia das primeiras palavras trocadas por nós..
...foram inumerosos momentos com grandiosas experiências de muita cumplicidade e que nos aproximaram intensamente..
...em diversos instantes:
...me ouviste, me acalmaste, me aconselhaste, me fizeste rir, me distraíste..
...Me entretiveste, Me divertiste, Me deste prazer e Me tesaste sempre..
...és o sentido da minha vida..
...você me encanta, me faz vivo, me faz feliz..
...me faz querer tê-la todos os dias..
...a admiro e me orgulho de ti..( és o exemplo de mulher, caráter e humanidade )..
...por muitos e muitos anos, até o último dia, quero amar você..
...beijos do Homem e do apaixonado DONO..
   SENHOR PYRIEL

TORTURA PSICOLÓGICA - Resposta

MINHA...índia..
Mesmo sabendo que não a emprestaria, dormi mal também.  Imaginava a mulher pensativa e apreensiva com a situação, acreditando que o homem deixaria isso acontecer e o quanto seria doloroso para ela e especialmente  para mim, se tudo fosse verdade.
Contudo, se a BOCARRA-vadia tivesse ficado fechada ao telefone na sexta-feira passada , não apareceria a dúvida cruel e ninguém, nem mesmo a cadela, teria vivenciado os eventos do empréstimo, mas ela não aguentou e ainda foi além,  desafiou o Dono determinando um prazo para Ele acabar com aquela fala até domingo à noite e de súbito, riu bocarramente.  Porém, exatamente no instante desta fala, cadela, aceitei o desafio, pois, considerei da sua parte um atrevimento descabido para com o seu Dono e fui adiante com a estória.
Então, logo pela manhã da segunda-feira pude desfrutar sadicamente das mensagens e telefonemas da cadela totalmente desestabilizada e acuada.
Lembro-Me dos momentos marcantes dentro do carro quando estávamos parados no suposto local de encontro ao lado de uma pequena árvore próxima a entrada do estacionamento, vi a angústia, o medo, a inquietação e a vi atemorizada com a cabeça abaixada e com movimentos que tangenciavam a convulsão, sobretudo, quando havia a fala fictícia desprezando a sua presença e a tratando como um simples e mero pedaço carnal de troca para o prazer dos Dominadores. Certamente no trajeto até o motel os teus pensamentos e corpo estavam como um turbilhao de sensações e emoções.  Mas quando chegamos à garagem, vi você cadela com a expressão aliviada e com um leve sorriso ao perceber que foram momentos da gostosa e prazerosa tortura psicológica ( e diga-se de passagem, bem  merecida ).
Vou repetir o óbvio e que você nunca mais se esqueça cadela: és Meu DIAMANTE, és MINHA.
Quanto ao número de degraus acho que eram 13, mas você cadela deve ter certeza, e então por isso, irá contá-los novamente.
As cenas foram bonitas, o capacho, as lambidas, a lavagem dos pés e o dogplay ( cadela na coleira, subindo escada, beijando os pés do Dono e debaixo da mesa ). Que tudo isto te sirva de lição. Não me desafie cadela... você conhece bem o DONO que tem.

TORTURA PSICOLÓGICA - Relato


Bom dia meu DONO.... vim aqui tentar escrever um pouco sobre ontem ( 02/07/2012)... Quando falo tentar, é porque é muito difcil colocar de uma só vez os sentimentos vividos ontem.
Meu dia começou digamos ruim.... noite mal durmida.... problemas que me desestabilizaram... e uma duvida cruel... serei mesmo emprestada????
Logo cedo um telefonema do DONO. Sadicamente conseguiu me fazer chorar e perder totalmente o controle de mim mesma.
Tinha tanta coisa do âmbito profiisional para fazer, mas estava travada.. nada saia... na minha cabeça somente uma coisa: a hora de me encontrar com o DONO.
Não consegui comer nada.  A gripe, e o nervosismo fechou minha garganta. estava me sentindo fraca. Na minha cabeça tinha um pensamento: - se meu DONO disser ao se encontrar comigo que não haveria emprestimo algum, eu vou pedir a ELE para voltar , pois eu estava sem nenhuma condição de realizar a sessão. Não estava em condições psicolgicas, fisícas´. estava muito mal mesmo.
Encontrei-me com meu DONO, poucas palavras e praticamente nenhum olhar. Fui calada até o local onde ELE tinha tido que se encontraria com o tal dominador para qual eu seria emprestada.
meu DONO parou o carro e ficamos aguardando.Ele disse que não sabia o que fazer, se me beija ou não. Eu disse em meio a lagrimas, - não beije SENHOR , Ele me mandou abaixar a cabeça e depois numa cena de ficção disse:- pronto ele chegou. Agora não tem volta.
Ele teatralmente conversou com o dominador ( fantasma) abriu a porta do carro, levantou o banco e disse: - pode entrar. - É esta ai.... ela está meio assustada. Me senti uma mercadoria sendo negociada ( que sesnsação horrível). Uma mistura louca de sentimentos invadiu todo meu ser. medo, angustia, arrependimento de ter levado esta história adiante... mas.. naquele momento já era tarde.. eu estava no meio de uma turbulência num caminho sem volta.
Chegando lá no local onde realizariamos a sessão, desci do carro ( mas neste momento eu já tinha a plena certeza de que tudo não passava de uma tortura psicológica. Não tinha dominador nenhum ali a não ser meu DONO).
Entramos no quarto e de imediatamente meu DONO me pegou pelo braço ( com uma certa ira) e logo foi batendo em minha cara, me  pegando com força e me perguntava: - você acha mesmo que eu iria lhe emprestar??? você é meu diamante. ( senti o DONO nervoso, como  só tinha visto uma vez nestes quase 3 anos de relacionamento).
Como eu estava passando mal, qualquer coisa ali naquele momento seria para mim em dobro. Devido a gripe meu corpo todo doia,  estava com uma certa dificuldade respiratória... emfim.. un caus. Mas, fui em frente, mesmo porque meu DONo poderia entender que era um teatro meu para fugir do momento.
Deste momento para frente fui simplesmente cadela. meu DONO usou e abusou. Colocou a coleira em mim, a guia e me fez subir duas vezes  igual uma cadela sendo puxada pela guia uma escada  que se não me engano tinha uns 15 degraus. Minha coluna reclamavva.. senti muita dor, mas aguentei tudo calada. Meu corpo doia muito.... depois  veio a ordem de lavar  e secar os pés do DONO e ajudá-Lo a chegar até ao quarto sem pisar no chão. ( Ele usou a criatividade de ir pisando em banquinhos e eu trocando-os de lugar para que o objetivo fosse alcançado. Quando Ele chegou ao quarto, sentou-se num sofá e mandou eu me ajoelhar e lamber os pés DELE. chorando, eu lambia os pés do meu DONO. Naquele momento, fui pissada, feita de tapete, apanhei na cara com os pés do meu DONO. Entre uma lambida e outra meu DONO dizia que seria capaz de gazar naquela cena.
Eu já estava no meu limite!!!!!!!!! depois  ELE me fez andar pelo quarto como uma cadela que sou... me puxando pela guia. Depois me mandou ficar debaixo de uma mesa... um lugar que me deu uma certa fobia e assentada no chão com um choro extremamente compulsivo, Chorei muito, mas muito mesmo..., tive medo..... Mas meu DONO logo me deu carinho, me deu colo.....  
Sei que tenho muito a escrever sobre tudo isto... mas agora meu tempo está curto. deixo beijos submissos a TI meu DONO

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Êxtase


Quando meus lábios tocarem Tua pele
E minhas mãos percorrerem todo Teu corpo,
Mergulharei nos mais profundos desejos de Tua alma...
Seremos neste momento uma só pessoa.
E sentirás dentro de Ti, todo meu amor.
Tu verás que todas as nossas fantasias,
Ganharão asas e nos conduzirão a um universo só nosso, e,
Como cometas em rota de colisão,
Nos encontraremos em um extremo prazer.
Neste instante, o silêncio,
Por fração de segundos, será absoluto.
Sendo apenas vencido por gemidos
E por palavras sussurradas docemente...
E nossos corpos, como nascentes de rios, embargados em suor,
Em movimentos de carícias e cumplicidades...
Então Te beijarei com toda intensidade de meu ser e,
Olhando dentro dos teus olhos, direi:
sou Sua vadia... pertenço a TI meu SENHOR!!!

Assim é uma escrava....

Cega,
de olhos vendados...
Só posso ouvir Tua voz
Sentir Teu cheiro
Sentir Tua respiração.
Surda,
não escuto conselhos...
Só ouço Teus apelos
Só ouço Teu chamado.
Presa,
pelo Senhor estou...
Amarrada aos Teus braços
Acorrentada aos Teus abraços
Implorando por seus beijos.
Então,
só me resta falar...
Me resta chamar Teu nome
Te pedir que me amarre,
me prenda de vez....
Em teus desejos e
anseios.